ArbitragemDestaque

FFERJ dispensa Marcelo de Lima Henrique que dispara: “Não preciso de federação para atuar”

Chefe da arbitragem carioca afirma que renovação e imagem desgastada junto aos clubes pesou na decisão de retirá-lo do quadro; CBF ainda não se manifestou sobre o caso

Rio de Janeiro – O árbitro carioca, Marcelo de Lima Henrique, está fora do quadro de árbitros da Federação de Futebol do Rio. A informação foi confirmada pelo próprio árbitro, há pouco, em contato telefônico com a reportagem da Tribuna do Apito.

Mais cedo, De Lima se despediu dos colegas de arbitragem da FFERJ, saindo do grupo de whatsapp destinado aos árbitros que fazem parte do quadro. Logo em seguida, uma série de rumores começaram a surgir nos bastidores, entre eles, de que o desgaste teria ocorrido após o presidente da comissão de árbitros do Rio, José Carlos Santiago, tê-lo avisado de que não o escalaria no Cariocão 2021.

Entre os mais importantes árbitros do país na atualidade, mesmo aos 50 anos de idade, Marcelo de Lima Henrique segue escrevendo uma história de sucesso no futebol. Com atuações de excelência, respeitado por atletas, boa parte dos clubes e tido como “01” pelos colegas, sua popularidade nas redes sociais o faz ser sucesso tanto dentro, quanto fora de campo.

Mas em décadas atuando pelo Rio de Janeiro, sua imagem acabou desgastada entre os principais clubes cariocas, justificativa dada por Santiago para a sua saída do quadro. “Marcelo é um grande árbitro, mas neste momento iremos priorizar uma gestão que atue na renovação de nosso quadro. Escalá-lo tornou-se um problema em razão dos clubes grandes que sempre nos questionam quando ele é designado. Conversei com ele e o informei que não o utilizaria mais, afinal, tudo na vida tem início, meio e fim”, contou Santiago.

Com o quadro de árbitros “independente” criado por Leonardo Gaciba, o vínculo entre árbitro x federação, antes obrigatório para que o profisisonal fizesse parte do quadro nacional, acabou caindo por terra. O grande problema nessa articulação é que qualquer profissional que atue somente pela CBF, acaba criando vínculo trabalhista e isso pode gerar sérias consequências para a entidade no futuro, especialmente em razão de enfraquecer as federações e desmoralizar seus presidentes.

Com um futuro incerto após ter sido, na prática, riscado da FFERJ, Marcelo de Lima Henrique desabafou.

– Não sei o motivo por ter saído da FFERJ, entidade que tenho muito carinho e gratidão. Estou em casa após o Brasileiro e treinando para a temporada 2021. Eu sou árbitro nacional e não dependo mais de federação para estar na SENAF. Obviamente quero apitar, não queria ficar três meses parado. Estou na minha. Estou de boa, agradecido e privilegiado. Me preparando e não quero parar agora não, até porque sou nacional e quero apitar mais um pouco. Respeitosamente não sei por que fui riscado da FFERJ, mas sou grato a tudo que ela me proporcionou. Apitei diversas finais no Rio, a entidade tem seus motivos e cabe a mim respeitar.

Nós procuramos a comissão nacional de arbitragem para que ela falasse sobre o tema. Interlocutores de Leonardo Gaciba atestam que neste momento ele não irá se manifestar sobre o caso. Em paralelo a isso, há quem acredite que o futuro do carioca de 50 anos seja a Paraíba, especialmente após a aposentadoria do paulista, Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios