ArbitragemFutebol

Detector de mentiras, a nova polêmica do VAR

Criado para ser um agente de mínima interferência em campo, o VAR está longe de cumprir essa prerrogativa, gerando reclamações mundo afora

Por: Marco Garcia

São Paulo – Criado para ser um agente de mínima interferência em campo, o VAR está longe de cumprir essa prerrogativa, gerando reclamações mundo afora.

Na Rússia, a polêmica em torno do sistema de árbitro de vídeo ganhou nova costura, indo parar na Justiça.

Inconformado com a marcação de dois pênaltis contra seu time, Leonid Fedun, presidente do Spartak Moscou, ameaçou abandonar o campeonato nacional.

Pressionada, a Federação Russa se viu obrigada a tomar medida que foge um pouco dos padrões.

A entidade suspendeu Vasily Kazartsev, árbitro da partida entre Spartak e Sochi, no último dia 9, e o submeteu a um detector de mentiras.

O juiz de vídeo, Alexey Eskov, também passou pelo teste do polígrafo. Após os testes, o caso está sendo apurado. Ambos são suspeitos de envolvimento com manipulação de resultados.

História

O futebol brasileiro viu surgir o sistema de árbitro de vídeo, VAR, em 2017, na partida entre Salgueiro e Sport, pelo Campeonato Pernambucano.

O árbitro responsável pela análise das imagens na cabine foi Péricles Bassol, sendo auxiliado por Manoel Serapião Filho e Alício Pena Júnior.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios